Isaac e Abel

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Third Birthday tickers

terça-feira, 18 de junho de 2013

Os meus micro-contos

Dois dos micro contos com que participei no passatempo da Sical, para ter a oportunidade de serem publicados nos pacotinhos de açúcar. Mas mais uma vez, devem ter sido considerados medíocres...

A velha e a flor
Numa casa antiga com um lindo jardim, vivia uma velha. Todos os dias apregoava: “Quem me traz a flor mais bela?”. Muitos levaram as mais lindas flores, mas nenhuma era a mais bela. Um dia um rapazinho, com o sorriso e os olhos mais meigos que já vira, levou à velha um malmequer já meio murcho. No dia seguinte já mais ninguém ouviu a velha.

O homem descalço
Havia um homem que andava sempre descalço para todo o lado. Um dia ofereceram-lhe umas meias, mas não gostou e deitou-as fora. Outro dia ofereceram-lhe uns sapatos, mas ora queimavam-lhe os pés, ora magoavam-no, e deitou-os fora para voltar a andar descalço. Porque é que queremos que os outros sejam iguais a nós, em vez de iguais e si próprios?



Nota: Os contos não podiam ter mais de 350 caracteres (incluindo espaços).



segunda-feira, 17 de junho de 2013

Nada que se aproveite...

Quando somos os únicos a acreditar que fazemos alguma coisa bem, apesar de tudo à nossa volta mostrar o  contrário, então é porque se calhar andamos enganados.
E quando não encontramos mais nada que façamos bem? Somos umas coisas que andamos aqui
a estorvar.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Mediocre

Quando fazemos tudo por tudo, em todas as áreas, e parece que nunca é suficientemente bom, que os outros fazem sempre melhor, será que estamos condenados à condição de medíocre?
Estou cansada de tentar fazer melhor pelos outros e nunca ser suficiente.


quarta-feira, 12 de junho de 2013

Quero espaço...

... para as minhas compras! Detesto estar na fila do supermercado e quem está atrás de mim colar as coisas às minhas, ainda por cima sem o separador das compras! Dêem espaço por favor! Custa alguma coisa esperar que o tapete role mais um bocadinho e depois começar a por as coisas! Que nervos!