Isaac e Abel

Lilypie Fifth Birthday tickers Lilypie Third Birthday tickers

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Compras no supermercado

Apesar de estarmos em época natalícia, as pessoas têm que continuar a fazer as compras normasi de supermercado, como frutas, carne, higiene, etc. mas nesta altura as coisas estão um bocadinho dificultadas porque os artigos que normalmente deviam estar nas prateleiras do costume foram substituídos por packs de Natal com produtos de higiene e maquilhagem e acessórios, então e para onde foram as outras coisas? Pois, foram encafuadas junto a outros produtos, que mesmo que tenha lógica lá estarem obrigam-nos a correr os corredores todos e no final ainda ter que perguntar a alguém da loja: "Mas afinal onde é que está?"
Portanto ir às compras nesta altura demora mais tempo e é preciso mais paciência.


Lalaloopsys

Será que eu sou a única que acho estas bonecas assustadoras? Elas não têm olhos, têm botões, é como se lhes tivessem tirado a capacidade de ver e de serem expressivas. Fui eu a única a ver o filme da Coraline? Não gosto destas bonecas!


sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Saloia em terras do Marquês

Isto de ir às terras da nossa capital de transportes públicos já não é como era dantes, se nos enganássemos podíamos voltar atrás e voltar a entrar na estação, sem problema nenhum e sem ter que ir fazer o choradinho ao segurança a dizer que nos enganámos, e depois de ouvir a história de que "isto aqui é muito perigoso para andar sozinha, de onde é que é, e o que é que anda a fazer para estes lados" lá avivei a memória. Avivei a memória e esvaziei a carteira que os transportes públicos são um luxo, "ah, vamos lá andar todos de transportes públicos para proteger o ambiente e reduzir as emissões de CO2" mas o que não dizem é quanto é que custa proteger o ambiente. Outra coisa que não faço é pagar para usar a casa de banho de uma estação, 0,50E para esvaziar a bexiga? Então mas eu tenho escolha? Será que urinar agora também é um luxo e as casas de banho públicas são um privilégio?
 Depois de ter perdido o comboio à minha frente e deliberadamente ter deixado escapar o metro, cheguei à zona onde está o centro comercial mais antigo do país, mas que nunca lá tinha posto os pés. Só é preciso treino para andar nestas avarias e já lá vai o tempo em que andava por Lisboa sem me sentir confusa.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Casa de Pedra

Andava eu a fazer uma pesquisa de wallpapers para o meu computador e coloquei a seguinte frase: "houses in the middle of nowhere", quando me apareceu uma imagem muito interessante, pensei que fosse em qualquer lado menos em Portugal, mas é mesmo, esta casinha original fica situada na serra de Fafe. A casa do Penedo, como se chama, é uma casa particular, portanto não dá para passar lá uns dias de férias.






Podem saber mais aqui.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Esquecida eu?

Será que as mulheres são mais esquecidas que os homens?
"Esqueceste-te de fazer isto, esqueceste-te de ir buscar aquilo, onde é que está a minha camisola que não visto à mais de 5 anos? arrumaste-a e não te lembras onde! esqueceste-te daquilo que eu te pedi!" Estas são as frases que os homens nos dizem. Engraçado não é? Então porque é que será que nos esquecemos de tantas coisas? Pelo mesmo motivo que os filhos perguntam tudo às mães e aquilo que perguntam aos pais é: "Onde está a mãe?".


segunda-feira, 15 de julho de 2013

Japão

Um país que gostava de ir visitar, mas era ir sem data marcada para voltar, conhecer tudo sem pressas, as cidades, as zonas rurais, fazer um curso de origami, enfim, um sonho.


Bamboo, Arashiyama



Geisha, Kyoto



Kinkaku-ji, Kyoto


Lights, Shiga


Matsumoto Castle


Mount Fuji


Ohuri Park, Fukuoka


Sumo, Tokyo


Temple, Nikko


Tokyo


Fotos do National Geographic

terça-feira, 18 de junho de 2013

Os meus micro-contos

Dois dos micro contos com que participei no passatempo da Sical, para ter a oportunidade de serem publicados nos pacotinhos de açúcar. Mas mais uma vez, devem ter sido considerados medíocres...

A velha e a flor
Numa casa antiga com um lindo jardim, vivia uma velha. Todos os dias apregoava: “Quem me traz a flor mais bela?”. Muitos levaram as mais lindas flores, mas nenhuma era a mais bela. Um dia um rapazinho, com o sorriso e os olhos mais meigos que já vira, levou à velha um malmequer já meio murcho. No dia seguinte já mais ninguém ouviu a velha.

O homem descalço
Havia um homem que andava sempre descalço para todo o lado. Um dia ofereceram-lhe umas meias, mas não gostou e deitou-as fora. Outro dia ofereceram-lhe uns sapatos, mas ora queimavam-lhe os pés, ora magoavam-no, e deitou-os fora para voltar a andar descalço. Porque é que queremos que os outros sejam iguais a nós, em vez de iguais e si próprios?



Nota: Os contos não podiam ter mais de 350 caracteres (incluindo espaços).



segunda-feira, 17 de junho de 2013

Nada que se aproveite...

Quando somos os únicos a acreditar que fazemos alguma coisa bem, apesar de tudo à nossa volta mostrar o  contrário, então é porque se calhar andamos enganados.
E quando não encontramos mais nada que façamos bem? Somos umas coisas que andamos aqui
a estorvar.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Mediocre

Quando fazemos tudo por tudo, em todas as áreas, e parece que nunca é suficientemente bom, que os outros fazem sempre melhor, será que estamos condenados à condição de medíocre?
Estou cansada de tentar fazer melhor pelos outros e nunca ser suficiente.


quarta-feira, 12 de junho de 2013

Quero espaço...

... para as minhas compras! Detesto estar na fila do supermercado e quem está atrás de mim colar as coisas às minhas, ainda por cima sem o separador das compras! Dêem espaço por favor! Custa alguma coisa esperar que o tapete role mais um bocadinho e depois começar a por as coisas! Que nervos!


quarta-feira, 15 de maio de 2013

Com quem sou parecido?


Com a mãe ou com o pai?

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Atarefada

Tenho andado sem escrever no meu espaço, ando a ver que o tempo é muito preciso e quando foge já não volta, por isso ando a aproveitar todos os momentos com o meu filho, deito-me no chão, brinco com legos, sujo as calças de relva, vejo desenhos animados, canto músicas, faço patetices e cócegas, adormeço agarrada a ele...
É por isso que não tenho escrito...

quarta-feira, 27 de março de 2013

Fraldas reutilizáveis vs descartáveis

Tal como eu já tinha chegado a esta conclusão, aqui vai publicado por uma empresa bastante conhecida e fiável: a Huggies. É que há certas coisas que têm mais impacto se forem ditas pelos outros.


"A agência de Meio Ambiente publicou um relatório que revela que as fraldas descartáveis não são nem melhores nem piores que as fraldas reutilizáveis para o meio ambiente.

Os dados como os conhecemos hoje…

Foi desenvolvido um importante estudo para comparar o impacto ambiental das fraldas descartáveis, como Huggies®®, e as fraldas reutilizáveis.
Um estudo independente patrocinado pela Agência do Meio Ambiente do Governo do Reino Unido - Avaliação do Ciclo Vital (LCA)2 publicado a 19 de Maio de 2005, chegou à conclusão que no conjunto nenhuma das soluções tem um impacto ambiental melhor ou pior que a outra.
Este rigoroso estudo avaliou todas as actividades associadas à produção, utilização e eliminação das fraldas descartáveis e reutilizáveis, todas elas com impactos ambientais.
O estudo revelou que as fraldas reutilizáveis consumem água, energia e detergentes, enquanto as fraldas descartáveis aumentam o volume de resíduos sólidos em aterros.
Estas conclusões reforçam o facto de que todas as actividades têm impacto no meio ambiente. Algumas destas actividades têm uma visibilidade imediata (resíduos sólidos em aterros), enquanto outras passam mais despercebidas (energia, água e produtos quimicos usados para lavar)."
-------------
Acho mesmo que o que não fazia mal ao meio ambiente eram as antigas fraldas de pano, que eram depois lavadas no tanque com sabão azul e branco.
Para saber mais podem ver aqui.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Primavera

Bem vinda Primavera!


o Sr. X

Era uma vez um senhor, do qual não me lembro do nome e que vou chamar de Sr. X. Toda a vida fizeram crer ao Sr. X que ele tinha um grande defeito, e diziam: "Tu nunca contas nada!", "Nunca desabafas com ninguém, isso só te faz é mal!". De facto o Sr. X tinha sofrido um pouco com os seus problemas sentimentais, que tencionava resolver sozinho. Só ele e Deus. Ao longo do tempo o Sr. X aprendeu a desabafar, a contar os seus problemas e a precisar dos outros para se sentir melhor, acontece que sentia-se sempre pior. Foi então que se lembrou de Sansão. Sansão é um personagem bíblico que sofreu grandes desgraças na sua vida por contar os seus segredos, um deles o segredo da sua força. De tanto insistirem com ele para contar os seus segredos  ele acabou por fazê-lo e acabou desgraçado. Sansão nunca devia ter tido que tinha segredos.
Mas o caso do Sr. X era diferente, o defeito que todos diziam que tinha era de facto uma virtude, pois tinha-lhe dado força a autonomia para saber resolver os seus problemas sem ter que incomodar os outros. "Todos temos problemas." pensou, "Porquê contá-lo aos outros, quando eu e o meu Deus os conseguimos resolver?".


segunda-feira, 18 de março de 2013

Formiguinha



Às vezes sentimo-nos assim pequeninos e insignificantes.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Hoteis Românticos

Agora com o dia dos namorados a aproximar-se, aqui vai a lista dos 25 hotéis mais romanticos do mundo.
Na lista, em 17º lugar está um hotel português, no Funchal.
Este é o que está em primeiro lugar.



Anastasis Apartments

Imerovigli, Greece

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Estante de livros

...e se eu quiser ler um dos livros de baixo? Lá se vai a estante...
Foi visto aqui.

Pontuação e interpretação

Hoje ouvi na rádio club de Sintra a seguinte história que quero partilhar:

"Certo homem, escreveu o seu testamento momentos antes de morrer, mas sem pontuação, então o texto era o seguinte:

"Deixo os meus bens à minha irmã não ao meu sobrinho jamais pagarei a conta do padeiro não dou aos pobres"

A irmã do falecido pontuou da seguinte forma:

"Deixo os meus bens à minha irmã, não ao meu sobrinho. Jamais pagarei a conta do padeiro. Não dou aos pobres."

O referido sobrinho resolveu pontuar a frase da seguinte maneira:

"Deixo os meus bens à minha irmã? Não, ao meu sobrinho. Jamais pagarei a conta do padeiro. Não dou aos pobres."

O padeiro foi e também pontuou à sua maneira:

"Deixo os meus bens à minha irmã? Não. Ao meu sobrinho? Jamais! Pagarei a conta do padeiro. Não dou aos pobres."

Os pobres também pontuaram o testamento conforme lhes convinha:

"Deixo os meus bens à minha irmã? Não. Ao meu sobrinho? Jamais! Pagarei a conta do padeiro? Não. Dou aos pobres."



Em tudo na vida cada um faz a interpretação que quer, por isso há tantas versões das mesmas histórias.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

1 ano

Foi no dia 20, que o meu bebé fez um aninho. Já não é assim tão bebé, já está a ficar tão crescido... Passou a correr...
Que saudades.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Scandal

A minha nova série de eleição.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Saudades...


...de escrever no meu espaço.
Tenho andado assim. Não, não é sonolenta, é mesmo exausta.